Apesar do seu elevado valor ecológico, as praias arenosas têm sido alvo de pressões ambientais crescentes nas últimas décadas, em grande parte derivadas da ação humana sobre a costa. Porém, o modo como estes ecossistemas respondem a estas pressões é pouco conhecido, o que dificulta a implementação de ações de gestão que visem a sua proteção. Neste estudo avaliou-se o potencial do uso de ferramentas ecológicas ao nível da população na gestão e avaliação da qualidade ambiental e de alterações ambientais nestes ecossistemas. Concluiu-se que o conhecimento aprofundado da bio-ecologia de espécies chave da macrofauna, e o desenvolvimento de modelos da sua dinâmica populacional, são ferramentas promissoras já que respondem de forma previsível às mudanças ambientais, incluindo as de origem humana.