As doenças metabólicas representam um grupo de doenças crónicas que combinam elevada prevalência e baixo sucesso terapêutico. A resistência à insulina, dislipidemia e obesidade, co-morbilidades frequente na síndrome metabólica, são caracterizadas por uma sobreactivação basal do sistema nervoso simpático (SNS). Recentemente surgiu uma linha de investigação ligando o SNS a doenças metabólicas através dos corpos carotídeos (CBs), quimiorreceptores arteriais que detectam alterações nos níveis de gases no sangue. A ressecção bilateral do nervo sensitivo do CB reverte a doença cardio-metabólica induzida por dietas hipercalóricas, sugerindo que os efeitos benéficos da ressecção CSN sobre a homeostasia da glicose são modulados por nervos simpáticos eferentes.