Comissão Europeia aprova a Universidade Europeia (RUN-EU) liderada pelo Politécnico de Leiria

A Regional University Network – European University (RUN-EU) coordenada pelo Politécnico de Leiria, no âmbito da iniciativa Universidades Europeias – com a atribuição de financiamento do programa ERASMUS+, viu a candidatura validada pela Comissão Europeia. Esta nova universidade europeia congrega instituições de ensino superior de seis países, que, além do Politécnico de Leiria inclui, como membros fundadores, o Politécnico de Cávado e do Ave, de Portugal; o Limerick Institute of Technology e o Athlone Institute of Technology, ambos da Irlanda; a Széchenyi István University (SZE), da Hungria; a Häme University of Applied Sciences HAMK, da Finlândia; a  NHL Stenden University of Applied Sciences, da Holanda; e a  FH Vorarlberg University of Applied Sciences, da Áustria.

As oito instituições de ensino superior que integram esta nova universidade europeia irão desenvolver em conjunto diversas ações de ensino-aprendizagem, através da disponibilização aos estudantes de diferentes programas internacionais (curta duração e e-learning), além da implementação de projetos de cooperação internacional no âmbito da investigação e desenvolvimento. No futuro, os estudantes das instituições que integram a RUN-EU terão ainda a possibilidade de obter duplas e múltiplas titulações europeias no âmbito do programas conjuntos de formação que vierem a ser desenvolvidos.

 

«As instituições de ensino superior que fazem parte da RUN-EU compartilham uma visão e um compromisso comum, focado na transformação da sociedade no contexto dos desafios regionais e globais emergentes e, em particular, para o desenvolvimento regional sustentável», afirma Rui Pedrosa, presidente do Politécnico de Leiria. «Os membros da aliança são universidades globais e multiculturais, mas com foco regional no desenvolvimento de competências avançadas no ensino-aprendizagem, no campo da inovação e investigação com impacto, relevantes para enfrentar os desafios da sociedade, incluindo a indústria do futuro, o desenvolvimento sustentável, o ambiente e alterações climáticas, o envelhecimento da população e a inclusão social» destaca.

Com um plano de trabalho definido, numa primeira fase para três anos, a RUN-EU irá desenvolver um extenso programa de mobilidade entre os estudantes, professores, investigadores e colaboradores. Este programa prevê a criação de mais de 80 cursos avançados internacionais, o intercâmbio de mais de 1400 estudantes, a cocriação de 24 programas europeus de dupla titulação, assim como o desenvolvimento de programas conjuntos de licenciaturas, mestrados e doutoramentos. Esta primeira fase do projeto inclui também a realização de 500 mobilidades de professores, investigadores e corpo técnico para promoção de atividades de desenvolvimento pedagógico, de investigação e de partilha de boas práticas. Está também prevista a promoção de projetos internacionais de investigação e desenvolvimento, por via do programa RUN-EU Discovery, que incluirá 150 ações de mobilidade para investigadores em contexto de imersão internacional para investigação.

 

«Através da criação de diversos programas formativos, a RUN-EU pretende promover o desenvolvimento económico, social, cultural e sustentável das regiões abrangidas pela rede, fornecendo as competências necessárias para que estudantes, investigadores e agentes regionais possam enfrentar com sucesso os desafios do futuro, e sejam capazes de contribuir para a transformação social em diversas regiões da União Europeia, fortalecendo a identidade europeia», explica Rui Pedrosa. «Enquanto consórcio internacional, esta universidade europeia assume-se assim como um agente ativo na promoção da cidadania ativa e pretende ser um verdadeiro motor de desenvolvimento regional, utilizando uma abordagem colaborativa, envolvendo no seu programa de trabalho parceiros estratégicos relevantes em cada país, provenientes da indústria, do tecido empresarial, das autarquias e da sociedade, garantindo assim a máxima relevância e impacto das atividades serão implementadas», assegura. O Presidente do Politécnico de Leiria, Rui Pedrosa, acrescenta ainda que «a Europa já considerou o Politécnico de Leiria como líder de uma Universidade Europeia, agora, já só falta Portugal assumir definitivamente a designação de Universidades Politécnicas».

 


RUN-EU

Os grandes objetivos e atividades da RUN-EU estarão alicerçados em três dimensões diferenciadoras: o desenvolvimento de Future and Advanced Skills Academies, academias interuniversitárias para o desenvolvimento e promoção das atividades de aprendizagem conjuntas, com metodologias inovadoras que desenvolvam nos estudantes as competências avançadas necessárias para as profissões do futuro, que incluem programas avançados de curta duração e a atribuição de graus académicos europeus; a criação dos Interregional European Innovation Hubs, hubs de inovação europeus inter-regionais que visam a dinamização de atividades conjuntas de Investigação e inovação, ligadas a programas de mestrado e doutoramento, realizadas com a colaboração de parceiros regionais e centradas em três áreas estratégicas: a indústria do futuro e o desenvolvimento regional sustentável, bioeconomia e inovação social; e a criação de um European Mobility Innovation Centre, um Centro de Inovação Europeu em Mobilidade que se desenvolverá em torno da cocriação e partilha de experiências no âmbito de iniciativas de mobilidade internacional, incluindo mobilidade virtual, que serão oferecidas aos estudantes, professores e elementos do corpo técnico das oito instituições.