Integração do Pensamento Computacional nas Aulas de Matemática

A ação de formação pode decorrer em regime híbrido (horas presenciais e horas a distância).

Objetivos

O Grupo de Trabalho de Matemática (GTM), equipa nomeada pelo Secretário de Estado de Educação (Despacho n.º 12530/2018) em 28 de dezembro de 2018, ao qual foi atribuída a missão de elaborar um conjunto de recomendações sobre o ensino, a aprendizagem e a avaliação na disciplina de Matemática, elaborou o documento “Recomendações para a melhoria das aprendizagens dos alunos em Matemática”, cuja versão final data de 27 de março de 2020.

Neste documento é clara a ênfase dada ao desenvolvimento do pensamento computacional e à mais-valia da sua introdução nos programas de matemática, bem como a importância dada à sua integração na sala de aula. O pensamento computacional enquadra-se ainda na área de competências “Saber científico, técnico e tecnológico” do Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória.

Nestes últimos anos têm decorrido diversas iniciativas com a introdução de pensamento computacional em várias escolas-piloto como é o exemplo do projeto-piloto MatemaTIC promovido pela Direção-Geral da Educação (DGE), a Associação de Professores de Matemática (APM), a Universidade de Coimbra (UC) e o CCTIC da Universidade de Évora (CCTIC UE). Sendo uma tendência cada vez mais comum por todo o mundo, a integração do ensino computacional no ensino de matemática deve, desde já, ser trabalhada pelos professores dos vários níveis de ensino para que possam progressivamente familiarizarem-se com este tipo de atividades de modo a poderem integrar naturalmente nas suas aulas.

Tendo como principal objetivo a integração de pensamento computacional nas aulas de Matemática, pretende-se com esta formação:

  • Explorar com os professores atividades de integração do pensamento computacional e algoritmia, que poderão posteriormente replicar em sala de aula.
  • Desenvolver atividades diversificadas, para diferentes níveis de ensino, e diferentes graus de dificuldade.
  • Abordar diferentes metodologias para exploração das atividades propostas.

Conteúdos programáticos

  1. Abordagem de temas/problemas no âmbito de diferentes metodologias de inclusão do pensamento computacional nas aulas de matemática.
  2. Adaptação de tarefas matemáticas de modo a integrar e desenvolver práticas do pensamento computacional.
  3. Avaliação final.

Metodologia de realização da ação

Os diferentes temas serão abordados em aulas teórico-práticas e laboratoriais, que decorrerão em Laboratórios Informáticos onde os formandos executarão diversas atividades, cujo mote serão os vários conceitos que se pretendem desenvolver.

Metodologia de avaliação dos formandos

A avaliação nesta ação de formação será composta por:

  • Avaliação Contínua, com ponderação de 30% da classificação final
    • Em cada sessão é atribuída uma classificação de 1 a 10 valores a cada formando, de acordo com a sua participação nas atividades desenvolvidas em sala de aula, na referida sessão.
    • A nota final desta componente será obtida por média ponderada (pela duração da respetiva sessão) das classificações atribuídas em cada sessão.
  • Trabalho Escrito Individual, com ponderação de 70% da classificação final
    • Esta avaliação escrita individual será realizada em ambiente laboratorial, com uso de computadores, onde serão avaliados os conteúdos abordadas nesta ação.
    • Os formandos podem consultar os materiais disponibilizados ao longo da formação bem como os seus apontamentos.

Em todas as sessões que constituem este curso de formação de professores, os formandos serão avaliados através da escala de 1 a 10 valores de acordo com a carta circular n.º 3/2007 do CCPFC.

Bibliografia

Mais informações

Número mínimo de formandos – 10 formandos
Número máximo de formandos – 25 formandos