As Probabilidades no Ensino Secundário – uma revisão com aplicações na saúde

Objetivos

Com esta ação de formação pretende-se:

  • Sensibilizar os professores para as vantagens de encontrar novos modelos bem como aplicações que permitam explorar as diferentes valências do cálculo de probabilidades, que poderão ser adequadas na efetiva aprendizagem dos estudantes;
  • Conhecer e aplicar diferentes noções de probabilidade;
  • Conhecer e aplicar diferentes técnicas de contagem;
  • Usar situações do dia-a-dia que podem ser exploradas e estudadas com recurso a modelos de probabilidade;
  • Conhecer e aplicar as principais propriedades e teoremas do cálculo das probabilidades;
  • Conhecer e calcular diferentes medidas de epidemiologia, recorrendo aos conceitos de probabilidades abordados;
  • Conhecer e avaliar as vantagens que o tema pode trazer para as suas atividades letivas, no ensino do cálculo das probabilidades.

Conteúdos programáticos

A ação de formação está concebida para um número total de 25 horas, sendo distribuídas pelos temas abordados e pela avaliação da seguinte forma:

  • Palestras do evento Mat-Oeste
  • História e enquadramento
  • Noções de probabilidades
  • Probabilidade Condicionada e independência
  • Teorema das Probabilidades Totais e Teorema de Bayes
  • Cálculo combinatório
  • Medidas de epidemiologia
  • Aplicações a análises clínicas
  • Avaliação

Metodologia de realização da ação

Os diferentes temas serão realizados em aulas teórico-práticas e laboratoriais que decorrerão num Laboratório de Aplicações Informáticas. Os conceitos desenvolvidos serão aplicados em exemplos práticos, sobretudo relacionados com análises clínicas, com recurso ao software Excel.

Bibliografia

  1. Batanero, C., Contreras, J.M. & Díaz, C. (2012). Sesgos en el Razonamiento Sobre Probabilidad Condicional e Implicaciones Para la Enseñanza. Revista digital Matemática, Educación e Internet, 12(2).
  2. Batanero, C., Godino, J.D. & Roa, R. (2004). Training Teachers To Teach Probability. Journal of Statistics Education, 12(1)
  3. Batanero, C., Henry, M. & Parzysz, B. (2005). The nature of chance and probability. In G. A. Jones (Ed.), Exploring probability in school: Challenges for teaching and learning. New York: Springer, 16-42.
  4. Carvalho, M.J., Freitas, A. (2016).  Nível de conhecimento em probabilidade condicionada e independência: um caso de estudo no ensino secundário português, Revista Latino americana de Investigación en Matemática Educativa 19(1), 41-69.
  5. Contreras, J.M., Díaz, C., Batanero, C., Arteaga, P. (2012). La falacia del eje temporal: un estudio con futuros profesores de Educación Secundaria, Investigación en Educación Matemática XVI, 197-207.
  6. Dias, A. (2015). O uso da Simulação no Cálculo de Probabilidades, Mestrado em Ciências da Educação – Especialização em Utilização Pedagógica das TIC, ESECS-IPLeiria .
  7. Pestana, Dinis (2010). Devemos acreditar em análises clínicas? Salutis Scientia 2, pp. 4-14.
  8. Sobreiro, D. (2011). Probabilidade Condicionada: um estudo com alunos do ensino secundário. Mestrado em Didática- Área de Especialização em Matemática para Professores do 3º CEB/Secundário. Universidade de Aveiro.

Mais informações

Número mínimo de formandos – 5 formandos
Número máximo de formandos – 20 formandos